Jornal Visão | Duas pequenas cidades do sertão, vivem o mesmo clima de tensão; Jeremoabo na Bahia e Batalha em Alagoas.

Duas pequenas cidades do sertão, vivem o mesmo clima de tensão; Jeremoabo na Bahia e Batalha em Alagoas.

Por: Redação Jornal Visão

Se por um lado a seca continua assustando o povo nordestino, por outro a onda de violência e criminalidade vem causando pânico na capital e no interior.

Apesar do Atlas da Violência 2017, indicar quatro cidades baianas entre as 10 mais violentas do país, e uma redução na taxa de homicídios no estado de Alagoas.

Recentemente duas cidades vivem em clima de terror, uma delas é Jeremoabo no nordeste baiano, distante a aproximadamente 396 km de Salvador, a outra é Batalha na região do agreste alagoano 183 km de Maceió AL.

Separadas apenas por 222 km, os moradores dessas duas cidades vivem o mesmo clima de tensão.

Jeremoabo – Bahia

(A região de Jeremoabo, no nordeste da Bahia, foi povoada originalmente por Tupinambás dos grupos Muongorus e Cariacás. A palavra Jeremoabo em língua tupinambá significa “plantação de jerimum”. Segundo dados do IBGE, sua população e de 42 mil habitantes).Foto: Reprodução /Ages

Os jeremoabenses continuam apreensivos , recentemente dois ciganos, um deles identificado como Lwillys Messias da Silva, 24 anos, e outro, de prenome Vinícius, morreram na madrugada da ultima sexta-feira (3/11), após participarem da morte do soldado PM José Bonfim Lima.

(José Bonfim Lima, PM Morto em Jeremoabo)

Outros cinco ciganos foram presos e, com eles, seis armas apreendidas, incluindo a do policial.

A Secretaria da Segurança Pública determinou reforço policial na região e se colocou à disposição da família do soldado, pertencente ao 20º Batalhão de Polícia Militar.

De lá pra cá, os moradores estão apreensivos com medo dos ciganos retornarem ao município e um novo confronto possa acontecer.

Batalha – AL

(O município de Batalha era, no início, conhecido por Belo Monte, situado à margem do rio São Francisco. O nome Batalha foi dado, segundo a lenda, por causa de uma luta entre soldados da polícia estadual e fanáticos seguidores de um leigo que dominava o local através da religião.Sua população estimada em aproximadamente 16 habitantes). Foto: Reprodução/panoramio.

Já na cidade de ‘’Batalha’’ em alagoas,   o assassinato do vereador Adelmo Rodrigues de Melo, o “Neguinho Boiadeiro” (PSD), trouxe desespero e pânico na ultima quinta-feira ( 9).

O Secretário adjunto de Segurança Pública, Manoel Acácio Júnior de AL, determinou a ocupação policial no município  por tempo indeterminado.

O vereador foi morto durante a tarde após sair de uma sessão na Câmara de Vereadores. Outras duas pessoas, um policial civil e o filho de um ex-prefeito do município, integrante de uma família rival da vítima, também ficaram feridas.

Rixa antiga

O histórico de violência na cidade envolvendo as duas famílias começou em 1999, quando uma emboscada resultou na morte do ex-prefeito José Miguel e da esposa dele, Matilda Toscano.

Anos depois, em 2016, Samuel Theomar Cavalcante, cunhado de Paulo Dantas, então prefeito da cidade, foi assassinado. Na ocasião, também morreu o segurança dele, o sargento reformado da Polícia Militar Edvaldo Joaquim de Matos.

Em 2012, Laércio Boiadeiro foi condenado a 35 anos de prisão pela morte de José Miguel e da esposa dele. No ano seguinte, José Anselmo Cavalcante de Melo e José Márcio Cavalcante, os irmãos Boiadeiro, foram acusados dos assassinatos de Paulo Dantas e Matos.

Em entrevista à TV Gazeta, o secretário em exercício da Segurança Pública, Manoel Acácio Júnior, disse não reconhecer que os atentados na cidade foram motivados por desavenças políticas, mas que podem ter sido planejados por um outro grupo com interesse em se beneficiar politicamente do clima de guerra entre as duas famílias.

Desde o homicídio na quinta, equipes da Polícia Civil e da Polícia Militar realizam uma ocupação na cidade de Batalha para garantir a segurança na região. Até esta manhã, ninguém havia sido preso pelo assassinato do vereador ou pelo atentado contra José Emílio.

 

Com a presença dos militares em ambas as cidades, a população sente-se mais tranquila e segura, porém o que todos temem e que com a saída da força especial o clima de terror possa tomar conta do município.

Assim como em todo o país, e no mundo, a onda de violência vem aumentando, a insegurança tem tomado conta na capital e no interior.

Lamentável quando ligamos o radio ou a  tv , e nos deparamos com tanta tragédias, homicídios, violência familiar, atentados, morte de Pm’s, crianças sendo violentadas, jovens nas drogas, políticos se corrompendo.

O povo nordestino pede PAZ!

Por Tiago Santos

Veja Mais


Copyright © 2016 Jornal Visão. Todos os Direitos Reservados.



Desenvolvido por:

Logo do Desenvolvedor: Paksi Soluções em Tecnologia